segunda-feira, 4 de julho de 2011

O País do Carnaval - Jorge Amado


Sinopse

Primeiro romance de Jorge Amado, O país do Carnaval faz um retrato crítico e investigativo da imagem festiva e contraditória do Brasil, a partir do olhar do personagem Paulo Rigger, um brasileiro que não se identifica com o país. 
Filho de um rico produtor de cacau, Rigger volta ao Brasil depois de sete anos estudando direito em Paris. Num retorno marcado pela inquietação existencial, ele se une a um grupo de intelectuais de Salvador, com o qual passa a discutir questões sobre amor, política, religião e filosofia. Dúvidas sobre os rumos do país ocupam o grupo.
O protagonista mantém uma relação de estranhamento com o Brasil do Carnaval, acredita que a festa popular mantém o povo alienado. Os exageros e a informalidade brasileira são motivo de espanto, apesar de a proximidade com o povo durante as festas nas ruas fazer com que ele se sinta verdadeiramente brasileiro. Aturdido pelas contradições, Rigger decide voltar para a Europa.
Mestiçagem e racismo, cultura popular e atuação política são alguns dos temas de Jorge Amado que aparecem aqui em estado embrionário. Brutalidade e celebração revelam-se, neste romance de juventude, linhas de força cruciais de uma literatura que se empenhou em caracterizar e decifrar o enigma brasileiro.

Resumo

Publicado em 1931 é o primeiro romance de Jorge Amado, escrito quando ele tinha apenas 19 anos. O País do Carnaval surpreendeu a crítica: um livro crítico e contestador sobre a ética – ou falta dela – dos intelectuais da época diante da situação social e política do Brasil às vésperas da revolução de 30, liderada por Getúlio Vargas. Expressa o clima intelectual da época, marcado pela idéia de crise e incerteza. Jorge Amado surpreendeu a crítica e o público com sua aguçada crítica política. 

O País do Carnaval conta a história de Paulo Rigger, intelectual educado em Paris. Ele desembarca na Bahia com a francesinha Julie, sua amante, que acaba o traindo com Honório, um hercúleo trabalhador negro do campo. Desiludido, Rigger demite Honório e abandona sua amante num hotel de Salvador, seguindo de navio de volta à Europa e deixando para trás o Brasil em pleno Carnaval.

O romance tem descrições de menos, diálogos inacabados, personagens que se perdem, discussões sobre o sentido da vida e a felicidade que não chegam a lugar nenhum. Jorge Amado fala, nesse livro, de uma juventude plena de inquietude, numa ansiosa e mesmo angustiada busca de verdades e caminhos. Trata-se, em suma, de um retrato geracional — tecido a partir das rondas de Paulo Rigger que regressa à Bahia acompanhado de uma prostituta de luxo francesa. Volta a conviver com seus velhos amigos, hoje jornalistas e juristas. Descobre que as vidas deles é tão inútil quanto a sua e que não ama o país em que vive. 

No final, insatisfeito e desencantado, marcado por uma renúncia preconceituosa à chegada do amor, Rigger embarca, no porto do Rio de Janeiro, com destino à Europa. Toma o navio rumo a Paris, rogando pragas ao "país do Carnaval". Leva com ele as suas dores, deixando atrás de si uma cidade alucinada pelos ritmos e brilhos do carnaval.

Na introdução, Amado confessa que gostaria de ter intitulado o livro "Os homens que eram infelizes sem saber por quê". 

Personagens

Paulo Rigger: filho de rico cacauicultor recém falecido, de volta de Paris. 

Julie: a francesa, amante de Paulo que desembarca com ele no Rio. 

Pedro Ticiano: ateu, homem cético, o terror dos letrados. 

Ricardo Reis: piauiense, tentando a vida na Bahia. Poeta, funcionário público, estudante de direito. 

A. Gomes: jornalista, diretor de uma revista, sonha ficar rico. 

Jerônimo Soares: o mais apagado dos amigos. Mulato, ingênuo, sem vaidades. 

José Lopes: o mais estranho de todos. Batia de frente com Ticiano. 

Maria de Lourdes: jovem pobre, por quem Paulo Rigger se apaixonaria.

0 Opiniões sobre o Livro:

Postar um comentário

O Que Você Achou deste Livro?

Se Já Leu ajude outros leitores que estão em dúvida deixando sua opinião.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...