terça-feira, 5 de julho de 2011

Jubiabá - Jorge Amado


Sinopse

Em seu quarto romance, de 1933, o escritor baiano conta a saga de Antônio Balduíno, negro órfão do morro do Capa-Negro de Salvador, e seu protetor, o feiticeiro macumbeiro centenário Jubiabá. O livro fez sucesso internacional e consolidou a carreira de Amado.

Resumo

O autor de Jubiabá, Jorge Amado, escritor modernista nasceu em Itabuna, na Bahia, estudou em Ilhéus, Salvador e depois no Rio de Janeiro. 
Na obra ?Jubiabá?, Jorge Amado conta história de Antônio Balduíno (Baldo), protegido do pai-de-santo Jubiabá. Baldo, o protagonista, aliena-se, tornando-se um arruaceiro, chefe de grupo de moleques, esquecendo-se de seus ancestrais negros e das tradições de sua raça. Oprimido pela sociedade, lidera seu grupo, rouba para viver, ao mesmo tempo em que cultua verdadeira paixão por Lindinalva. 
O negro Antônio Balduíno vivencia os destinos possíveis das camadas populares da Bahia, sua trajetória de aventuras e desventuras que vão de menino de rua, vagabundo, sambista, boxeador, trabalhador rural, artista de circo, estivador até a de líder de uma greve no porto. O romance engajado, onde a ideologia surge de maneira evidente, onde o proletariado, a luta de classes, a denúncia do momento de crise são mostrados como resultantes das condições históricas e sociais dos anos 30. Em ?Jubiabá?, Balduíno é o produto de uma sociedade injusta e esmagadora que após a morte da amada Lindinalva, recupera sua liberdade e se irmana aos outros homens. A tomada de consciência do herói leva-o a participar de um movimento grevista, assumindo uma postura ante as injustiças sociais de seu tempo. Já, o pai-de-santo Jubiabá, é um ?retrato da Bahia?, preserva as tradições de seus ancestrais negros através do sincretismo religioso que representa. Na trajetória de Antônio Balduíno, Jorge Amado vai construindo um painel da Bahia e conseqüentemente do Brasil. O Morro do Capa Negro é pincelado em detalhes, a paisagem ganha cores e movimentos. A Bahia e sua cultura são descritas de maneira minuciosa e com deslumbramento de forma que resultam num verdadeiro ?cartão postal?. 
Este trabalho tem como objetivo analisar o ufanismo e o exotismo na obra ?Jubiabá?, onde a descrição da Bahia pelo autor Jorge Amado resulta numa espécie de fotografia do lugar. 


?Antônio Balduíno ficava em cima do morro vendo a fila de luzes que era a cidade embaixo. Sons de violão se arrastavam pelo morro mal a luz aparecia [...] vivia metido num camisolão azul sempre sujo de barro, com o qual corria pelas ruas e becos enlameados do morro, brincando com os outros meninos da mesma idade. Apesar dos seus oito anos, Antônio Balduíno já chefiava as quadrilhas de moleques que vagabundeavam pelo Morro do Capa-Negro e morros adjacentes. Porém a noite não havia brinquedo que o arrancasse da contemplação das luzes que se acendiam na cidade tão próxima e tão longínqua. (p19) 


A descrição generosa do escritor em relação à topografia da cidade, com suas ladeiras e seus morros evidencia uma estratégia que tem como intenção, a valorização da cultura popular e da paisagem que lhe é peculiar. Os violões que soam e a miscigenação estão inseridos na paisagem privilegiada que o menino vê. Há um êxtase, um deslumbramento, na visão que Antônio Balduíno tem da cidade. Saindo do morro, Baldo atravessa a ponte do invisível que o leva a cidade do colonizador, com suas riquezas e seu brilho: 

?Antônio Balduíno agora era livre na cidade religiosa da Bahia de Todos os Santos e do pai de santo Jubiabá. Vivia a grande aventura da liberdade. Sua casa era a cidade toda, seu emprego era corrê-la. O filho do morro pobre é hoje o dono da cidade. Cidade religiosa, cidade colonial, cidade negra da Bahia. Igrejas suntuosas bordadas de ouro, casas de azulejos azuis, antigos sobradões onde a miséria habita, ruas e ladeiras calçadas de pedras, fortes velhos, lugares históricos, e o cais, principalmente o cais, tudo pertence ao negro Balduíno. Só ele é o dono da cidade porque só ele a conhece toda, sabe de todos os seus segredos, vagabundeou em todas as suas ruas, se meteu em quanto barulho, em quanto desastre aconteceu na cidade. Ele fiscaliza a vida da cidade que lhe pertence. Esse é o seu emprego. Olha todosos movimentos, conhece todos os valentes da cidade, vai às festas líricas, recebe e embarca os viajantes de todos os navios. [...] come a comida dos restaurantes mais caros, anda nos automóveis mais luxuosos, mora nos mais novos arranha-céus. E pode se mudar a qualquer momento. E como é dono da cidade não paga a comida, nem o automóvel, nem o apartamento? (p.64). 

Baldo rompe a divisa entre o morro e a cidade rica, e dela se apropria. A apropriação ufanista da cidade é descrita pelo autor através de uma linguagem redundante, que tem como objetivo explícito compor uma espécie de ?cartão postal? da Bahia. Percebe-se ao longo da obra ?Jubiabá?, a descrição minuciosa das peculiaridades e do exotismo baiano, a construção de um pequeno grande mundo construído a partir do olhar generoso do autor. Ao eleger a Bahia e sua estrutura cultural como tema da obra, o escritor regionalista, Jorge Amado restringe sua visão do universal, quando demonstra uma preocupação excessiva em mostrar a cidade, deixando de lado a análise psicológica de suas personagens. A preocupação em descrever a Bahia e sua cultura, dividida em dois mundos, o pobre e o rico, limita a observação que o autor faz da realidade e transforma a região em limitada e particular, cuja importância se sobrepõe aos dramas humanos e sociais.

Créditos: Skoob e Net Saber

0 Opiniões sobre o Livro:

Postar um comentário

O Que Você Achou deste Livro?

Se Já Leu ajude outros leitores que estão em dúvida deixando sua opinião.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...